mar 172011
 

Será que as pessoas só torcem pelos bonitos? (de um “emparedado” do Big Brother 2011)

O Monge acredita que beleza é muitas vezes igual ao dinheiro. Não traz felicidade, mas ajuda. No caso do dinheiro, manda buscar. Da beleza, sempre haverá alguém disposto a trazer um bocado de felicidade na sua vida. Disputando a tapa, se for preciso.

Mas se beleza fosse a única coisa importante, concurso de miss teria votação por telefone. O que importa que a bela morena deseja estudar advocacia, morar em Milão e a paz mundial? No entanto, se ela não fosse bonita a ponto de chamar a atenção pela rua, por exemplo, não estaria ali em primeiro lugar.

Não é o caso de todos os participantes do Big Brother. Alguns sim, é visível que estão ali apenas por seus atributos estéticos. Afinal, é televisão, e carisma não se compra em farmácia. Mas dá para dar uma bela garibada.

mar 102011
 

Ó, estimado leitor,

Que em toda sua vida a luz da sabedoria alcance seu caminho

Que as peripécias do destino não peguem-no de calças curtas

Sem saber o que fazer, o que dizer, como agir

Que em todos os percalços vindouros, fatalmente

Tenha sempre uma opção, uma saída Continue reading »

mar 082011
 

O que tem na água deste País? São as mulheres mais lindas do mundo! (Jude Law, ator britânico, durante o Carnaval no Rio de Janeiro)

É, Sr. Jude Law, o que tem na água exatamente, o Monge não sabe. Mas creio que não seja qualquer aditivo ou alucinógeno na água potável que torna as mulheres brasileiras tão belas. Nesta amável terra de palmeiras e sabiás, o gênero feminino foi abençoado com o mais intrincado processo de seleção natural, que chamamos de mestiçagem. Só misturando para ver no que dá até se obter uma obra prima feminina como a mulata de olhos verdes, por exemplo.

O Sr. Jude Law foi mais um dos famosos de Hollywood que caíram nos encantos da feminilidade brasileira. E não é para menos: ele pode assistir a todo nosso espetáculo de camarote, literalmente. Mas sortudos mesmo somos nós, que  podemos conviver com nossas musas carnavalescas nos outros 360 dias do ano.

mar 032011
 

Monge, por que a repressão? (Gabriel Gonçalves)

Meu amigo e xará, a repressão é um instrumento social que serve especificamente para dizer que você está fazendo algo muito errado. Autoridades públicas, privadas e familiares andam acompanhadas da repressão. Os detentores da violência enquanto organizadora social – polícia, exército e afins – também. Se pisar fora da linha, pode ter certeza de que será reprimido por alguma força maior. E isto lembra que a religião também usa muito bem este discurso. Continue reading »