Manchetes – 07/08/2010

 Posted by at 10:16 am  Manchetes
ago 072010
 

A Cidade

OAB denuncia onda de roubos na Cidade Judiciária em RP

CI – Justiça só no nome.

Gazeta Ribeirão

Usina Galo Bravo deve fechar na segunda

CI – Não canta mais.

O Estado de São Paulo

Ibope mantém diferença de 5 pontos a favor de Dilma

CI – Ao sabor da conveniência.

O Globo

Candidatos escorregam em números

CI – Ah, se fossem só nos números.

Folha de São Paulo

MP de R$ 80 bi embute benefícios para elétricas

CI – Se fossem só benefícios…

Jornal do Brasil

Ligação direta com a máfia

CI – Venda de rádio comunicador sem cadastro.

Zero Hora

Justiça pressiona Anac a punir atrasos em voos

CI – E ainda precisa pressionar.

Correio Braziliense

Casa própria fica mais cara no DF

CI – Minha casa, meu bolso.

Estado de Minas

BH declara guerra a flanelinhas ilegais

CI – Tem também os lavadores de para-brisa, os vendedores de qualquer coisa, etc…

Valor Econômico

Sem edição aos finais de semana.

ago 032010
 

A Cidade

Projeto põe alunos para dar aula de matemática

CI – E desvaloriza o professor.

Gazeta Ribeirão

Deficientes ficam fora das escolas em Ribeirão

CI – Deficiência político-pedagógica.

O Estado de São Paulo

Apelo de Lula é visto como ‘interferência’ por iranianos

CI – A nossa interferência é a favor da vida.

O Globo

Falhas na Gol atrasam um a cada quatro voos no país

Folha de São Paulo

Gol cancela 300 voos e milhares lotam aeroportos

Jornal do Brasil

País enfrenta a sombra do caos aéreo

Zero Hora

Falhas da Gol reprisam caos nos aeroportos

CI – (4 em 1) Jura que a culpa é só da companhia?

Correio Braziliense

Fraude no exame da OAB tem 30 indiciados

CI – Queriam a cadeira, acabaram no banco.

Estado de Minas

No limite da paciência

CI – Trânsito fora dos limites.

Valor Econômico

Tribunais reveem teses e favorecem os contribuintes

CI – Vai chover canivete.

Prática na Extensão

 Posted by at 7:26 pm  Crônicas, T.I.
jan 212010
 

(publicada originalmente na edição 4 – maio de 2009 – segunda quinzena)

Prática na extensão. Feliz o universitário que possui em sua faculdade, oferta de cursos de extensão. Ou melhor, que abrigue tal qual um  guarda chuva acadêmico provendo liberdade de ação. Destes projetos nascem as maiores empresas, as melhores idéias e os melhores produtos. De pino cirúrgico biodegradável à diamantes de álcool. Este último conquistado através de um laboratório de sucata na Unicamp pelo pesquisador Vitor Baranauskas.
Explorar o potencial de seus discentes talvez seja sempre o único investimento de retorno ao longo prazo garantido e perene. As instituições que sobreviveram décadas foram por tais práticas, de pesquisa e extensão. O mercado aberto na gestão passada e comedidamente na atual forçaram as faculdades a uma busca  por alunos a ponto de que analfabetos funcionais engordassem as estatísticas de jovens no ensino superior.
A OAB recomendou a não abertura de um sem número de cursos que o MEC autorizou sem grandes dificuldades. A resposta veio pelo Exame da Ordem. É vergonhoso ver  quase 3/4 dos alunos reprovados a cada exame. Mas não se dá cobertura devida ao fato.
As faculdades de jornalismo se formassem com um pouco mais de empenho, talvez os alunos se preocupassem menos com diploma. Haja vista que os publicitários não necessitam do mesmo para exercer a profissão. A criatividade é o limite e vence quem estiver melhor preparado. Cada vez mais a profissão se refina e seus profissionais se profissionalizam.
Francisco Ornellas, diretor do Curso Intensivo de Jornalismo Aplicado do jornal “O Estado de São Paulo”, em palestra de abertura da Semana de Jornalismo – Banco Real falou sobre isso. Disse que nos Estados Unidos não existe essa cobrança e quase a totalidade de profissionais são diplomados. Estejam preparados.
P.N.O. – Com quantas matérias se faz um diploma?

Marcelo Dias