abr 192011
 

Monge, por que música ruim “gruda” na cabeça? (Patrícia Alves)

Querida Paty, músicas ruins são uma praga universal. Graças a tudo que é sagrado, não são apenas elas que grudam na cabeça, pois do contrário não teríamos mais um minuto de descanso mental. Boas canções também podem ficar ecoando repetidamente em nossos ouvidos. Continue reading »

ago 172010
 

Se temos apenas sete notas, naturais, e mais cinco notas (as quais são chamadas de sustenidas) como fazer tantas músicas sem plágio? Afinal de contas quantas músicas existem no mundo? (Almôndega da Web)

Meu caro Almôndega, a música é muito mais do que a matemática das notas. O Monge poderia mostrar numericamente o gigantesco número de canções que podem ser feitas com apenas três acordes básicos. Mas sinceramente, isso dá muito trabalho. Muito mesmo. Acredite, eu tentei. Isso sem contar a infinidade de músicas que existem com arranjos parecidos, e que não são necessariamente plágio. Ou você acha que os Ramones plagiam eles mesmos?

Portanto, a segunda pergunta mostra-se impossível de ser respondida concretamente. Quantas músicas existem no mundo? Oras, não dá nem para contar quantos estilos musicais diferentes existem, quanto mais as canções. Seria a mesma coisa que calcular quantos quadros existem no mundo apenas considerando as cores de tinta. Ah, mas vamos brincar neste sentido. Suponhamos que alguém faça uma pintura usando apenas vermelho, azul e preto. Sei lá, um saci pulando, com o céu de fundo. Se alguém fizer outro quadro com estas mesmas três cores, necessariamente seria a mesma imagem? As possibilidades são inúmeras.

O mesmo ocorre com a música. As notas e acordes são partes valiosas de uma canção, mas estão longe de serem a única coisa que importa. Assim como o ritmo e a letra. Todos juntos formam uma composição harmônica, que desperta as mais variadas sensações e emoções. Deve ser isso o que chamam de arte.