mar 222011
 

Afinal, o que o Obama veio fazer no Brasil? (pergunta repetida incessantemente no inconsciente coletivo brasileiro)

O Monge acredita que a visita do senhor presidente pop dos EUA, Barack Obama, foi repleta de boas intenções. Boa intenção de tomar uma caipirinha, comer uma picanha, assistir a rodas de capoeira, visitar o Cristo Redentor… Afinal, turismo é sempre bem intencionado, não é?

No xadrez da geopolítica internacional, a visita ao Brasil foi mais do que estratégica. Primeiro, pelos afagos americanos ao povo brasileiro, que tanto admira quanto protesta contra o presidente Obama. O Brasil é diversificado também politicamente, ao contrário do que dizem por aí, que somos apenas massa de manobra. Às vezes sim, é verdade. Mas gostamos de fazer nosso próprio barulho de vez em quando. Resta saber se à rasgação de seda pessoal do Mr. President seguirá uma política econômica que reflita tal admiração pelo Brasil.

O segundo fator importante da visita do Obama é, como não poderia deixar de ser quando se trata dos EUA, belicoso. Pronunciar-se sobre a ofensiva militar na Líbia, enquanto visita um país que se absteve da votação sobre o ataque na ONU, soa como algo entre provocação e tiração de sarro. É bom não se enganar pelo sorriso carismático, pela boa pinta e pela atmosfera de “mudança” (“Change”) que o acompanha: Obama ainda é o líder da nação auto intitulada a mais poderosa do mundo, sempre pronta a qualquer combate pela “defesa” da democracia ( a qual que eles pensam deter o monopólio ideológico). A estrela de “xerife do mundo” está lá, ofuscada por um discurso amigável.

O Brasil, convenientemente, esperou a família Obama ir embora para condenar os ataques e as baixas civis. Em termos de malandragem, o presidente pop tem muito a aprender com a gente.

*”Sim, nós bombardeamos”, em alusão ao slogan da campanha de Obama “yes, we can” (“sim, nós podemos”).




Confira também

coded by nessus

 Leave a Reply

(requerido)

(requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>