jan 202010
 

(publicada originalmente na edição 2 – abril de 2009 – segunda quinzena)

O Malandro
letra – Chico Buarque

O malandro na dureza
Senta à mesa do café
Bebe um gole de cachaça
Acha graça e dá no pé

O garçom no prejuízo
Sem sorriso, sem freguês
De passagem pela caixa
Dá uma baixa no português

O galego acha estranho
Que o seu ganho tá um horror
Pega o lápis soma os canos
Passa os danos pro distribuidor

Mas o frete vê que ao todo
Há engodo nos papéis
E pra cima do alambique
Dá um trambique de cem mil réis

O usineiro nessa luta
Grita – Ponte que partiu!
Não é idiota trunca a nota
Lesa o Banco do Brasil

Nosso banco tá cotado
No mercado exterior
Então taxa a cachaça
A um preço assutador

Mas os ianques com seus tanques
Têm bem mais o que fazer
E proíbem os soldados
Aliados de beber

A cachaça tá parada
Rejeitada no barril
O alambique tem chilique
Contra o Banco do Brasil

O usineiro faz barulho
Com orgulho de produtor
Mas a sua raiva cega
Descarrega no carregador

Este chega pro galego
Nega arrego cobra mais
A cachaça tá de graça
Mas o frete como é que faz?

O galego tá apertado
Pro seu lado não tá bom
Então deixa congelada
A mesada do garçom
O garçom vê um malandro
Sai gritando pega ladrão
E o malandro, autuado
É julgado e condenado culpado
Pela situação.

 Leave a Reply

(requerido)

(requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>