jan 232010
 

Após a divulgação da lista de livros exigidos pela Fuvest e Unicamp, questionei-me: até quando vão usar certas obras literárias enfadonhas que causam mais indisposição do que inspiração nos alunos?

Algumas obras (não incluo o canonizado Machado de Assis, longe disso) chegam ao extremo de criar um sentimento de repulsa em parte dos alunos, de tal forma, que muitos deles sequer leem a segunda exigência da lista e, de quebra, nunca mais vão ler um clássico em suas vidas tamanha ojeriza (sentimento de má vontade, aversão – Houaiss) causada.

Outra crítica é sobre a ausência de um conteúdo que aborde de modo mais direto a política. Fica a impressão que a imposição desses livros é alienar as pessoas quanto à política, mesmo porque, ter mentes politizadas é a última coisa que uma determinada fatia da sociedade quer.

Na onda da alienação, criou-se um preconceito com certos autores, que chega a dar medo de abrir um livro deles e ter os olhos queimados pelo fogo eterno. Para citar um exemplo, temos Nicolau Maquiavel (1469-1527), que deu origem ao termo “maquiavélico”, onde é definido no dicionário Caldas Aulete: “Diz-se de indivíduo ardiloso, pérfido, possuidor de mente treinada em arquitetar friamente atos de má-fé”.

Será que toda a obra do escritor italiano, que por bem ou por mal, descreveu o alicerce da política como conhecemos se resume a um rótulo da mesquinhice? Sem mencionar que, quando falamos dele, há quem ache impossível de ler (sem nem mesmo nunca ter pego um na mão ou baixado na internet). Só a “aura” em volta não só dessa obra e desse autor, mas de outros que falam de política, é o suficiente para que boa parte dos alunos jamais cheguem perto de um e o coloquem na mesma classe de livros “que só vão trazer desgosto”.

Para comprovar: você, caso tenha terminado o ensino médio há mais de um ano, lembra do conteúdo dos clássicos que leu no colegial?

por Leonildo Trombela Junior

jan 232010
 

A Cidade

Policial Militar fazendo ‘bico’ fere jovem usando a arma da corporação

CI – Faltam qualificação e valorização para os policiais.

Gazeta Ribeirão

Migrantes trocam a cana pela construção

CI – E a economia cresce…

Folha de São Paulo

São Paulo investiga 800 delegados

CI – Pela lógica eles investigaram banqueiros, juízes e grandes empresários.

O Estado de São Paulo

ONU encerra as buscas  e desafio é reerguer Haiti

CI  – Civilmente.

O Globo

Asfalto é ruim ou péssimo em 98% das ruas do Rio

CI – Em Ribeiraõ o asfalto é bom, mas é decorado com buracos.

Correio Braziliense

Nomes de nossos heróis para Haitianos

CI – Homenagens.

Valor Econômico

Sem edição aos domingos.

Jornal do Brasil

Muitos cartões, uma só máquina

CI – Fim do monopólio.

Estado de Minas

As várias caras de Savassi

CI – http://pt.wikipedia.org/wiki/Savassi

Zero Hora

Brasil sai mais forte de ação no Haiti

CI – Consequência.

Revistas

Carta Capital

Mas que belo panorama…

CI – Cidade de São Paulo, aniversário vergonhoso

Época

Diabetes – Ele vai pegar você?

CI  – O que arde cura, o que aperta segura e o que adoça vai saber…

Veja

Haiti – Do caos a esperança

CI – Do abandono à atenção.

Istoé

9 mitos sobre o amor

CI – Eterna categorização.

Istoé Dinheiro

Este homem enfrenta a Casas Bahia, o Ponto Frio, o Magazine Luiza

CI  – A nordestina Insinuante.

Exame

O bilionário das marcas

CI – Hypermarcas.

Por Que Será?

 Posted by at 6:50 am  Sem categoria
jan 232010
 

Por Que Será?

Tihuana

letra : (Román / Egypcio / Leo / Baia / P.G.)

Nem tudo é como a gente imagina
Se a mais pura seda você desmanchou
Eu sei que um dia dou a volta por cima
Mas agora só quero saber se sobrou
Alguma história que eu possa contar
Alguma promessa para acreditar
Sem ninguém que me dê uma rasteira
Alguma vitória pra comemorar
Aquele beijo que é bom de lembrar
Na esperança de uma noite inteira

Por que será que eu vejo tudo
De outra maneira?
Por que será?

A crença que vence uma causa perdida
Pegadas na areia que o mar já levou
De um homem que luta por toda uma vida
Mas foram embora e ninguém nos deixou
Alguma história que eu possa contar
Alguma promessa para acreditar
Sem ninguém que me dê uma rasteira
Alguma vitória pra comemorar
Aquele beijo que é bom de lembrar
Na esperança de uma noite inteira

Por que será que eu vejo tudo
De outra maneira?